O Prémio Camões, a mais importante distinção literária para autores de língua portuguesa, foi atribuído a Adélia Prado. Aos 88 anos, a autora de Minas Gerais foi a escolhida na 36ª edição do prestigiado prémio de literatura em língua portuguesa.

“Adélia Prado é uma autora com uma obra muito original e uma notável produção poética. Herdeira de Carlos Drummond de Andrade, que a apresentou ao público e a descreveu como ‘lírica, bíblica, existencial, faz poesia como faz bom tempo’, Prado é uma voz inconfundível na literatura em língua portuguesa”, destacou o júri, composto pelos académicos Clara Crabbé Rocha e Isabel Cristina Mateus, de Portugal; Cleber Ranieri Ribas de Almeida e Deonísio da Silva, do Brasil; e Dionísio Bahule e Francisco Noa, de Moçambique.

A autora brasileira ainda não está editada na Polónia.

O Prémio Camões, instituído por Portugal e pelo Brasil em 1989, é o maior prémio de prestígio da língua portuguesa. Com a sua atribuição, é prestada anualmente uma homenagem à literatura em português, recaindo a escolha num escritor cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento da língua.

Nota biográfica de Adélia Prado

Adélia Prado nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, em 1936. É licenciada em filosofia. Publicou os seus primeiros poemas em jornais de Divinópolis e de Belo Horizonte. A sua estreia individual só aconteceu em 1975, quando remeteu para Carlos Drummond de Andrade os originais de seus novos poemas. Impressionado com a sua escrita, enviou os poemas para a Editora Imago. Publicado com o nome “Bagagem”, o livro de poemas chamou atenção da crítica pela originalidade e pelo estilo.

fonte: Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, Portugal