17 de abril | 13h15

Faculdade de Línguas Modernas da Univ. de Varsóvia, ul. Dobra 55
Strefa współPRACY (sala junto à entrada da rua Browarna)

A poetisa portuguesa Filipa Leal estará na Polónia para apresentar o seu primeiro livro de poesia em polaco, traduzido por Wojciech Charchalis e publicado pela editora Lokator de Cracóvia. Mas antes de rumar a Cracóvia, estará na Faculdade de Línguas Modernas da Univ. de Varsóvia para uma conversa com os alunos e professores dos cursos de licenciatura e mestrado em estudos portugueses desta instituição.

Nesta conversa, irá falar-se sobre a obra da Filipa, sobre o papel da poesia nos dias de hoje e sobre os desafios de tradução dos textos poéticos.

A conversa será moderada por José Carlos Dias.

A entrada é livre.

Esta é uma iniciativa integrada na atividade da Cátedra de Estudos Paulina Chiziane, sediada na Faculdade de Línguas Modernas da Universidade de Varsóvia, e pertencente à rede global de cátedras do Camões I.P.

Filipa Leal

Filipa Leal

Nasceu no Porto, Portugal, em 1979, e tem, atualmente, 14 livros publicados (desde 2003), entre os quais A Cidade Líquida e O Problema de Ser Norte (ed. Deriva), ou Vem à Quinta-feira (já na 5ª edição) e Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano (ed. Assírio & Alvim), ambos finalistas do Prémio Correntes d’Escritas e semifinalistas do Prémio Oceanos. Está editada em Espanha e no Brasil (com o livro A Cidade Líquida); na Colômbia (com a antologia En los días tristes no se habla de aves); em França (com a plaquete La Ville Oubliée, ed. Cahiers de l’Approche); chegou à Polónia, neste ano de 2024, com o livro Fósforos e Metal sobre Imitação de Ser Humano Zapałki i metal na imitacji materii ludzkiej, na tradução de Wojciech Charchalis.

Formada em Jornalismo pela Universidade de Westminter (Londres), é Mestre em Estudos Portugueses e Brasileiros pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Está representada em várias antologias em Portugal e no estrangeiro (Venezuela, México, Bulgária, Grécia, Países Baixos ou Eslovénia). Em 2010, teve um dos seus poemas exposto no Metro de Varsóvia, na iniciativa «Poems on the Underground». Em 2012 e 2014, representou Portugal em encontros literários na Alemanha – no Festival de Poesia de Berlim 2012, e na Conferência dos Escritores Europeus 2014/Long Night of European Literature, no âmbito da qual fez uma leitura dos seus poemas no Deutsches Theater. Em 2016, o seu poema “Hoje, também os carros dançam” integrou uma instalação sonora europeia na British Library, em Londres; e, em 2023, o poema “Quanto tempo para o intervalo” esteve exposto na Polónia na iniciativa «Poems in the City». Tem integrado alguns júris internacionais: fez parte do Júri do Prémio de Literatura Oceanos (2018) e do Júri do Prémio de Jornalismo Gabriel García Márquez (Colômbia, 2019). Poeta, jornalista e argumentista (destaque para o guião do filme Jogo de Damas, com a realizadora Patrícia Sequeira – Prémio de Melhor Guião nos Festivais de Cinema do Chipre e de Copenhaga; e para a série Mulheres Assim, na RTP1). 2024 marca os seus 20 anos de poesia.

(fonte: autora | fotografia: Alfredo Cunha)